Depoimentos mostram que chef não tinha inimigos ou dívidas em Sinop

João Guilherme Velasco, 25 anos, foi assassinado no dia 28 de abril após sair da cantina onde trabalhava

Foto: Facebook/Reprodução

Quase uma semana após o assassinato do chef João Guilherme Velasco, de 25 anos, em Sinop (479 km de Cuiabá), o crime segue sendo um mistério.

Os depoimentos tomados pela Polícia Civil até agora relatam que ele não tinha inimigos, dívidas ou qualquer envolvimento com ilícitos.

O delegado Bráulio Junqueira, responsável pelo caso, descartou ainda a possibilidade de o chef ter sido morto por engano ou por homofobia.

“Até agora concluímos que ele era um cara tranquilo. Os amigos mais próximos que conviviam com ele não relataram nada. E se tivesse alguma situação, [os amigos] deveriam saber alguma coisa desse tipo”, disse o delegado.

Bráulio relatou ainda que a Polícia Civil continua ouvindo testemunhas.

O delegado informou que, apesar dos progressos com informações a respeito da vítima, ainda não conseguiu identificar suspeitos pelo crime.

Relembre o Caso

João Guilherme foi assassinado na noite do dia 28 com três tiros na cabeça, quando saía do restaurante onde trabalhava, o “Chalé do Italiano”. 

Uma câmera de segurança flagrou o momento do crime. As imagens mostram João Guilherme andando pela rua sozinho.

Em determinado momento dois homens surgem por trás em uma moto e um deles atira. Atingida, a vítima cai no chão.

Fonte: Pietra Nóbrega/Mídia News

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube ? Inscreva-se no nosso canal!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *